segunda-feira, 6 de julho de 2009

Multiplicação de Oportunidades

 

multiplica_o_dos_paes copy

O povo estava com fome. Vinha seguindo Jesus desde algum tempo e ficava na espera. Andando com Jesus qualquer coisa podia acontecer. O homem já tinha transformado água em vinho, curado muitas pessoas, andado sobre as águas. O que Ele faria nessa próxima vez? Multiplicaria pães, peixes e oportunidades.

Sempre olhei para o momento da multiplicação dos pães com o olhar da multidão: olhos de quem quer ver o milagre, olhos de quem espera acontecer, de quem vê a vida passar, de quem se vê na comodidade de ser menor, de ser dependente. Quem tem sede de resultados e respostas, olha para os pães e peixes multiplicados. Quem tem sede de vida, de autonomia, de Deus, olha para Jesus e para o que Ele fez no momento dessa multiplicação de pães e peixes.

Ele olha para multidão e vê um povo que pede ajuda, um povo que depende dEle. É desse jeito dependente que aprendemos a viver com Deus. O que falta existe nEle; o que precisamos, encontramos nele, e partir daí é que estabelecemos a nossa relação com Ele.

Deus, porém, em Jesus, ensinou-me algo mais. Ele fez uma pergunta. E quem pergunta, abre-se para respostas; quem pergunta permite o complemento de outrem.

Ao perguntar, Deus permite que seus discípulos sejam colaboradores dEle: “o que faremos para alimentar a multidão?”.

Essa pergunta vinda de uma pessoa qualquer traz poucas mudanças, mas vinda de Deus, muda tudo. O homem é recriado a cada pergunta, a cada oportunidade e é assim que o mundo é regenerado. Deus quer ver o homem respondendo, tornando-se responsável (hábil para responder) e não mero dependente.

A pergunta de Jesus abre oportunidades e nos ensina a seguir a diante para onde Ele aponta. Ele diz: “ o que podemos fazer?” E algumas respostas surgem: “despede as multidões”, “nem muito dinheiro seria capaz de comprar pão suficiente para essa multidão”, “temos só uma criança com 5 pães e 2 peixes”.

As respostas são simples, mas muito mais do que ouvir soluções certas, Deus queria poder contar com o homem e se juntar a ele na (re)criação da vida. “Passa pra cá esse pães e os peixes”. "Façam pelo menos o possível e contem com a minha ajuda quando precisarem!"

O trabalho de Deus não é egocêntrico. É trabalho que gera autonomia e não dependência, não gera espera, mas proatividade. Quando curava dizia “não digam por aí que fui eu”, quando perdoava dizia “Vai… (e não peques mais)”. Lembro agora de uma história do missionário Pedro do Borel, quando esteve na Betesda Sede (2005), ele dizia:

“pedi a Jesus para ir a Jerusalém e andar por onde Ele andou, mas Ele me disse que era Ele quem queria ter a honra de andar por onde eu andasse.”

A história do missionário tem tudo a ver com a frase de Jesus “quem crê em mim, obras maiores fára”. O Salvador nos diz que continuaríamos a caminhada, que seus seguidores não deveriam fazer somente o que  Ele fez a 2 milênios atrás, mas fazer novas coisas, criar!

A pergunta de Jesus em meio a necessidade do povo de sua época abre espaços para que seus discípulos pudessem colaborar com Ele na (re)criação.

Nosso mundo ainda precisa de ajuda!

Deus nos faz algumas perguntas (quais?) e abre-se para que possamos criar um novo mundo ao seu lado. Ficar sem responder é estagnar-se no tempo de adão, é não recriar e não se renovar.

Nossas respostas podem não ser suficientes, mas são válidas e fundamentais.

TwitThis

7 comentários:

  1. Nossa !! muito bom ...

    estava lendo esta passagem essa semana.

    :**

    ' :Tah:

    ResponderExcluir
  2. enquanto eu lia o post, uma música veio à minha boca "Senhor, leva-me aos famintos... Senhor, eu qro as nações que são minha herança". Há famintos de amor, de compaixão, de carinho, de Deus, bem do nosso lado. Tudo q nós precisamos é de sensibilidade pra, todos os dias, responder ao Senhor "eu tô aqui, Deus, me dá o pão da vida pra eu poder distribuir no meu trabalho, na minha faculdade, na minha roda de amigos, na minha família".
    q maravilha essa preocupação q Deus tem despertado no coração dos seus servos. Isso é ser sal da Terra!
    abração, wendel e iaguim.

    ResponderExcluir
  3. não vou repetir pontos de destaque. (que eu amei)mas, sinceramente,o texto todo tá lindo e intrigante,o melhor né!
    Ô Deus bom,essa é a verdade ;*

    ResponderExcluir
  4. É isso aí!
    O Senhor nos quer dependentes dEle, mas pró-ativos! Deus no s quer com inciativa e com plena dependÊncia Dele.
    É isso aí!
    Bela reflexão!

    ResponderExcluir
  5. Interessante o ponto de vista colocado no texto.
    Aprendemos a pedir, a nos acomodar, mas quando Deus nos faz perguntas, nosso comodismo é colocado à prova, e então temos que agir, criar, (re)criar, e estamos precisando disso.
    Dependentes?? Com certeza somos. Mas Senhor, que nossa dependencia não nos cegue e que possamos responder as suas perguntas, tornando-nos assim, responáveis.

    ResponderExcluir
  6. Muito legal esse texto.
    Estava lendo e lembrando do outro “quando os amigos nos falam de Deus”.
    Nos dois textos é possível ver que existe sempre a necessidade de aprender.

    Se no primeiro vejo que posso aprender com os meus amigos, compartilhar o que tenho, o que sei e conhecer mais um pouco de Deus, no segundo é o próprio Deus que nos fala isso.

    Devemos não só compartilhar o que temos, mas pra que isso seja feito da melhor forma (ou pelo menos tentar fazer melhor) é necessário compartilhar dês da idéia e o planejamento até a execução.

    É difícil conseguir caminhar com outras pessoas, dependendo delas e mesmo assim continuar amando, normalmente ficamos chateados, pois não é facil levar adiante quando muitos estão decidindo, mas é onde aprendemos e contribuímos mais.

    Essa idéia de milagres na minha vida, e somente na minha e de mais ninguém tem acabado com as pessoas, sendo bem radical, em algumas situações fico triste quando a “igreja” alcança determinado grupo de pessoas, pois no mínimo, as idéias de egocentrismo que tem norteado nossa sociedade são reforçadas.

    Ficamos todos distantes, “olhando só pra Jesus”, esperando o milagre, sem nos envolver.

    Devemos estar abertos a aprender sempre, e temos que ir atrás, pois não podemos ficar só esperando que alguém nos diga o que fazer, nem Deus quer isso de mim.

    Tento lembrar disso sempre.

    Abraços e Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Amigo! Essa palavras são um verdadeiro dom de Deus na sua vida!!!!!! :)



    passei aqui! xeru

    ResponderExcluir