segunda-feira, 27 de julho de 2009

Sobre ciscos e Traves

image

 

1não julgueis, para que não sejais julgados.

2Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também.

3Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?

4Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu?

5Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.

6Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem. (Mateus 7)

No vídeo “Was Jesus Funny”, do Pr Mark Driscoll (para assistir clique na imagem), essa passagem é tida como um momento representante do bom humor de Jesus. Já pensou alguém com uma Trave alarmante no olho falar de alguém que está com um palito de dentes na boca? Pode ser hilário, mas também é mais do que isso.

Com o propósito de diminuir nossos erros e defeitos, passamos a apontálos nos outros; dizemos que “eles são isso”, que “você é aquilo” e mudamos o foco da visão para o diferente. Jesus então nos orienta a nos percebermos, a nos conhecermos, olhando melhor para nós mesmos, o que nos “capacitaria” para, então, olhar para o cisco do outro. Mas será que o ensinamento de Jesus foi para que somente os puros pudessem falar do "mal" alheio? Seria nescessário estar puro moralmente para poder falar do outro, então?

Não é o fato de eu estar limpo moralmente que me capacita ou me autoriza a falar de um comportamento do outro. A gente sabe que qualquer hábito, mesmo o pecaminoso, é importante na vida das pessoas, estruturante da personalidade. Por exemplo: a atividade de uma prostituta é estruturante na vida dela, sem essa atividade essa vida demorona e falece; seria como tirar de repente a viga que sustenta a casa. É necessário cuidado, é importante paciência, é preciso ter a empatia, é fundamental o amor.

Fundamental na transformção é sentir a dor do outro, ouvir o que ele sente.

Tire primeiro a trave do seu olho. Veja como é difícil. Sinta a dor. Conheça o processo e isso vai te permitir auxiliar na cura do teu próximo. Não foi assim com Jesus? Acaso Ele não veio para nos ensinar a viver, vivendo? Sentiu nossas dores, sofreu nossas tentações, passou fome, sede, solidão e venceu. Mas o que aconteceu com Ele não o tornou somente um mestre moral. Ele foi Deus também e como Deus conheceu nossas dores para então se relacionar mais de perto.

Tirar a trave não diz respeito somente a ser puro, do contrário, “aquele que está sem pecados atire a primeira pedra”, disse Jesus. Diz respeito, antes, a amar e acolher em si a dor do outro. Sentir (n)a dor do outro.

Quando estaríamos aptos a ajudar nossos amigos a crescer? Nunca! Por que nunca estariamos puros. No entanto, o fato de eu ter passado por uma experiência de cura me permite dialogar e auxiliar nesse processo não como alguém que olha de cima, mais santo ou mais puro, mas de igual para igual, porque ambos conhecem a experiência da dor.

Que traves tiramos? Que curas passamos? Que Julgamentos temos? No que poderemos auxiliar na transformação das pessoas?

Ao falar dos erros alheios não nos esqueçamos da dor que é passar por uma dificuldade e do quanto é doloroso arrancar as flechas do peito.

Sintamos a dor, como quem a viu (vê) de perto.

Lembremos do exemplo de Jesus. Isso se chama empatia, que se dá a partir do encontro com a nossa humanidade e se abre para humanidade do outro.

Um encontro de dois: olhos nos olhos, face a face.
E quando estiveres perto, arrancar-te-ei os olhose colocá-los-ei no lugar dos meus;
E arrancarei meus olhos
para colocá-los no lugar dos teus;
Então ver-te-ei com os teus olhos
E tu ver-me-ás com os meus.

     Trecho do Poema "O Encontro", de Levy Jacob Moreno, Psicodramatísta.

 

TwitThis

5 comentários:

  1. Seu texto é um convite à tolerância, o que a metáfora de Jesus tb sugere. Tirar a trave não pra julgar, mas para ajudar. Tirar a trave é esquecer a pedra.
    A trave é o julgamento; joguemos fora, portanto.

    ResponderExcluir
  2. É incrível como isso vai de cara com nossa realidade, principalmente àqueles que buscam viver o Cristianismo como regras exageradas ditadas por um tirano, e acabam esquecendo da essência, a qual CRisto nos deixou: o Amor e a Graça. Viver conforme o mandamento deixado: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo", é refletir a face de Deus em nossas vidas.

    Fundamental na transformção é sentir a dor do outro, ouvir o que ele sente. (Isso é amor!!)

    Parabéns pela exposição desse texto...

    ResponderExcluir
  3. Servir a Deus é amar, tolerar, supotar (dar suporte), e o texto fala exatamente isso. Como posso levantar minhas mãos e dizer "Senhor, eis-me aqui" se não vejo o meu próximo com o amor q Ele dise para termos?? É mto fácil criticar qdo não se sabe a real situação da pessoa. Jesus esteve com pessoas "problemáticas", criticadas pela "sociedade", e Ele simplesmente as olhou com amor, em nenhum momento julgando e condenando... só amor... quem somos nós pra julgar?? se somos seguidores de Cristo e seguir a Cristo é amor... só podemos aceitar o AMOR!!!



    lindo texto... parabéns... o blog está cada dia melhor

    ResponderExcluir
  4. É...é o amor!Nisso se resume os argumentos do texto.Antes de exortar,ame!

    ResponderExcluir
  5. Ia comentar a mesma coisa do Márcio .. isso é o que Jesus tentou nos ensinar a Tolerância .. é preciso dela para caminharmos juntos !!
    Abração !!

    ResponderExcluir